AURORIAL lettering.jpg

Uma oportunidade para Ser, Estar e Elevar

Terreno com paletes
Terreno com paletes

press to zoom
AURORIAL
AURORIAL

press to zoom
Showroom
Showroom

press to zoom
Terreno com paletes
Terreno com paletes

press to zoom
1/6

1 - Semente

Já havia algum tempo que sentia que, até ao final do ano, iria mudar de residência.

Num momento hialino, foi-me sugerido manifestar um certo conceito que iria ter várias fases.

A base prima seria uma casa em terreno próprio com água natural.

Fiquei super entusiasmado e aceitei honradamente a demanda.

E surgiram as questões: como, onde e quando.

A comunicação foi muito vertical: vais ser guiado no como e no onde e vai acontecer este Verão.

E eu: “Maravilhoso, mas e o dinheiro, como é se compra um terreno, estamos a entrar em julho e essas burocracias todas?"

E veio um eco firme e doce: "Vais ser guiado".

3 noites demorei a processar toda a informação que era partilhada.

Percebi que podia dividir o projeto em áreas, para a estratégia ser mais clara: quantificar o necessário para a primeira fase, encontrar o terreno apropriado e ter uma casa de madeira (rápida instalação, boa climatização e de materiais naturais).

Percebi que seria um valor muito alto e questionei a minha Família se poderiam emprestar a verba que me faltava para avançar com o projeto.

A resposta foi afirmativa e passei à fase do terreno.

Rapidamente percebi que tinha dedicado pouco valor a este item e que seria muito difícil encontrar algo decente com os requisitos mostrados.

Os dias iam passando e a concretização do terreno parecia mais distante...

Pedi orientação e o retorno foi: "Ele está à tua espera pois ele não está à venda. Antes disso, vais ter de ver vários e só depois, irás encontrá-lo.

Pensei: "Bonito! Como é que vou comprar uma coisa que não está à venda? Bem.... É seguir. Bora lá!"

Apontei à casa de madeira. Várias hipóteses, mas todas elas com um prazo de entrega de 5 a 6 meses. "Boa!? Isso é janeiro... Como é que vai ser?"

E mais tempo decorria e o que devia estar a colaborar a manifestar, parecia não sair do éter.

Muitos terrenos vi e muitas desilusões vivi. Muitas noites de planos e escuta por sinais, vividas.

Uma empresa muito profissional que vende e instala as casas de madeira, partilhou que encontrou a única casa de madeira para entrega, em toda a Europa.

Agradeci efusivamente pois o modelo de casa disponível, era o necessário para acolher a semente.

"A única casa!!! Ia ser o meu novo Lar. Parecia bem catita. Ultra Agradecido."

E mais umas noites a receber detalhes para o interior da casa e o que deveria ter mais em atenção no exterior e vislumbres de umas imagens belas daquele local.

E foram tantas experiências que o entusiasmo foi sendo corrompido pela espera, pelos meios parecerem muito escassos e pela incerteza de concretização.

E nestes momentos, havia sempre um afago de conforto: "Distrai os pensamentos. Já conheces todas as praias fluviais da zona? Estás amparado e agradecemos o teu sacro-ofício"

Nada melhor do que ir conhecer as praias fluviais, de mota, no Verão, hein?

Grande companheira nestas epopeias, foi a Flauta e os seus encantos melodiosos.

As visitas aconteciam, mas de terreno satisfatório, ficava tudo aquém.

A casa chegou nos princípios de agosto a Portugal. Mas o local para a instalar carecia de âncora.

Mais e mais visitas infrutíferas; até que fui sendo guiado para o meu terreno.

Já sabia que ele estava lá, mas o tempo passava e a casa de madeira tinha de ser instalada. Na última semana do prazo e por circunstâncias muito bafejadas, cruzei-me com um local que tinha tudo: era plano, tinha usufruto de água de furo hertziano, boa exposição solar, tinha a área necessária para a fase inicial (com área adjacente para futura expansão), que podíamos tratar da transferência rapidamente e na localidade que mais me aprazia: Graça (Pedrogão Grande)

Depois de muitas negociações, houve acordo e, claro, muita Alegria, Celebração e Agradecimento. E sempre com o sentir de estar abençoado.

E confirmei a informação recebida: "Tinha tudo, não estava à venda e sim, vi muitos terrenos".

Apercebi-me que toda a tensão experienciada foi desnecessária e que as visitas a praias fantásticas, foram bem vividas.

Depois de alguns atrasos e algumas burocracias, a casa chegou ao terreno. Meia dúzia de paletes com pranchas de madeira, e uma com portas e janelas.

Senti-me um anão no Ikea. Como é que dali, ia surgir a minha casa? Parecia impraticável.

Fui ajudando na montagem e a tratar dos exteriores e da água; e os dias sucederam-se. Mas tudo parecia decorrer quase em camara lenta.

Já havia janelas na casa, quando comecei a sentir um sincronismo tal, que tudo ficou leve.

Numa sintonia em que o mais atrás ou mais à frente, se desvaneciam um no outro; era como uma fonte cantasse a próxima posição a cada ponto, e tudo fluía acetinadamente.

A busca, os prazos, os meios; mostraram-se como que todos interligados e que os potenciais acontecimentos iriam-se manifestar no ponto cósmico adequado.

A água já preenche os depósitos, a horta já tem verdes, a casa já está quase, quase finalizada e tudo virá.

Sei que ainda vou sentir muitos apertos, sei que as Alegrias vão ser imensas e sei que o Propósito está a ser cumprido.

Frente completa
Frente completa

press to zoom
Vista da Casa
Vista da Casa

press to zoom
Showroom
Showroom

press to zoom
Frente completa
Frente completa

press to zoom
1/5

2 – AURORIAL

E o momento tão esperado da Semente eclodir, chegou: a entrada na nova Casa!
No meu acompanhamento diário ao crescer da Casa, havia alguns dias que ao chegar à zona da Graça (Pedrogão Grande), sentia um sentimento de Lar. Uma atmosfera que me acolhia, protegia e onde eu podia existir. Uma certeza de puder repousar profundamente.
Senti que no dia 20 de Outubro de 2021 (Lua Cheia em Carneiro) seria a minha primeira noite no novo Lar. Preparei tudo para que fosse significativa.
Mas os preparativos não queriam acontecer. E, mesmo não tendo todos os sistemas de conforto finalizados (principalmente: canalização e instalação elétrica), avancei.
Agradeço todos os incentivos de quem me impulsiona pois adorei a experiência, desde o primeiro momento. 
O facto de a casa ser em madeira tem realmente um conforto extra: muito equilibrada termicamente, sensação agradável de estar e um silêncio amplo.
Claro que não dormi nada!
Um turbilhão de sensações constante. Muita Alegria por Estar, Agradecimento pelo processo e com o ego muito confortado. E haviam uns picos de uma imersão envolvente num sentimento avassalador de Gratidão. Uma sensação de transbordar doçura absoluta que emanava do meu Coração.
E fui revendo todo o processo e quero partilhar uns factos muito interessantes (nenhum fruto de minha escolha):
* o terreno é um quadrado perfeito de 26m de lado
* a casa (10,5m x 6,5m) tem a proporção de ouro (10,5/6,5 =~ 1,618)
* a porta de entrada ficou virada para poente (Colheita, Abundância, Materialização)
* o solo tem Magnetite e Cristal de quartzo 
E tudo foi Celebração: o primeiro duche, o primeiro pequeno almoço, a primeira vez a desfrutar do Sol no baloiço, o primeiro Som Cristal, tocar Flauta num espaço de madeira que tem o teto inclinado, a primeira refeição, …
As bricolages tomaram quase todos os primeiros dias. O embelezamento, a ourificação de cada ponto, de cada zona, de cada solução. Senti-me um jardineiro de casas.
E houve um momento em que se tornou imperativo haver um nome; uma chave sonora que representasse o conceito.
Já haviam algumas propostas, mas houve uma que quando se fez presente, eclipsou todas as outras: AURORIAL. O sítio das auroras internas. 
Aurora é o desabrochar da Luz. O emergir do Dia. O potencial que se manifesta. 
E a edificação de um Lar foi acompanhando os dias. Passado mais de um mês, só me sinto honrado em puder Estar neste Momento.
E já começou a surgir informação para uma nova fase… 
Vou recebendo as peças e espero a imagem do puzzle surgir.
Mais partilhas em breve.
 

A Casa
A Casa

press to zoom
A Horta
A Horta

press to zoom
A Rosa
A Rosa

press to zoom
A Casa
A Casa

press to zoom
1/5

3 – Maturação

Com o aniversário do projeto, senti que era devida uma partilha.

Foi glorioso viver o Inverno neste Lar de madeira.

O ambiente sempre com pouca humidade, temperatura relativamente estável e insonorização eficaz.

Tendo aceitado um part-time para dar mais força ao desenrolar do fluxo, tudo aconteceu ainda mais rápido.
E senti muitas vezes aquela sensação de que está tudo pronto e, simplesmente, aguarda ser manifestado. Como uma rolha que impede o fluxo cósmico de jorrar em esplendor.

Foi um ritmo muito intenso e com muita Alegria.

E ter o privilégio de edificar o meu Lar, foi uma honra. Construir cada recanto, cada detalhe e, ver a estrutura a desabrochar e a ter frutos visíveis: a Beleza prática de um espaço acolhedor.

Ainda antes da Primavera, senti que houve uma mudança de direção no plano etérico. E foi nesta altura que as imagens que tinha das fases do projeto, começaram a se desvanecer e desapareceram.

Ainda esperei que houvesse como que uma substituição, mas a comunicação foi clara: “Tens de esperar. Mas podes estar ativo. O teu Servir é útil. Lembra-te sempre do Propósito maior.”
E também o meu part-time deixou de ser possível.

Depois de um ritmo tão intenso, este ritmo mais condicionado; começou a ser pouco.
Claro que uma casa de campo é um eterno work-in progress: há sempre algo que pode feito. E muito verticalmente, recebi: “Antes era porque era demais, agora é pouco??? Aprecia e honra a qualidade de cada momento. Aguarda. Estamos sempre perto.”

Comecei a investir mais na divulgação do Som Cristal aqui na zona, junto da vasta comunidade estrangeira residente.

A recetividade está a ser muito gratificante e os convites para partilhas sonoras estão a surgir.

Neste momento, 90% dos vegetais da minha alimentação, vêm da minha dedicação à Mãe Terra. Que bela tecnologia! É uma produtora de milagres. E já vou conhecendo alguns dos seus segredos e bênçãos mas continua sempre a ser misterioso, como é que aquilo tudo, emerge apenas de uma semente…
E ver como a Geometria; que é algo tão delineado e preciso; a se manifestar tão delicadamente em cada verde, em cada estrutura, em cada fruto maravilhoso.

Para ter ainda mais autonomia, estar mais Off-Grid (depois de já ter energia e água próprias); estou a instalar um equipamento de produção de gás. Darei mais novidades em breve.

E resumindo este ano que passou numa única palavra, só me surge: Gratidão.
Há cerca de um ano, o projeto ainda não existia na minha consciência e, agora, há uma casa de campo em madeira quase Off-Grid. Como costumo dizer: “Se fosse eu a planear, não teria sido assim.”
Sinto-me Abençoado, Grato e Honrado por tudo.